Mudar linguagem para Inglês
Mudar linguagem para Espanhol
Mudar linguagem para Português
Busca

Tucano - André Seale
Onça pintada - Pantanal - Daniel de Granville
Carcara (Caracara plancus) - Challenging your dreams
Sobrevoo Rio-Negro - Daniel de Granville
Onça Pintada Rio Negro - Daniel de Granville
 Lobinho (Cerdocyon thous) - Christian Dalgas Frisch


Notícias

13/08/2009 - 15h59

Cavalo Pantaneiro é considerado patrimônio do Pantanal

 
 

A+

A-

Altera o tamanho da letra

 
Saulo Coelho
Existem atualmente cerca de 5 mil cavalos pantaneiros puros registrados na ABCCP.
Existem atualmente cerca de 5 mil cavalos pantaneiros puros registrados na ABCCP.

Uma raça única de equinos, que se adaptou como nenhuma outra ao ambiente quente e úmido e às longas distâncias da planície pantaneira. O cavalo pantaneiro tem sua origem dos cavalos Ibéricos trazidos ao Brasil na época da colonização. 

Os animais introduzidos na região multiplicaram-se e formaram uma raça muito bem adaptada às condições ecológicas do Pantanal. Isto foi fruto da ação da seleção natural durante centenas de anos. Desde a implantação de fazendas no Pantanal, o cavalo pantaneiro tem sido importante para a lida do gado e como meio de locomoção para os habitantes da região.

Apesar das suas qualidades, a raça quase chegou à extinção devido a fatores como doenças e cruzamentos indiscriminados com outras raças. O trabalho feito por instituições como a Associação Brasileira de Criadores do Cavalo Pantaneiro (ABCCP), criada em 1972, evitou a extinção da raça, que hoje se encontra em estado vulnerável, o que ainda necessita de programas específicos para a sua conservação.

Um dos principais motivos para a conservação do cavalo pantaneiro é o seu valor genético. Adaptada de maneira singular às condições do Pantanal, a raça apresenta hoje uma grande utilidade no manejo do gado de corte, principal atividade econômica da região.

Valorização

A pesquisadora especialista em produção e manejo animal, Sandra Santos, da Embrapa Pantanal (Corumbá-MS), revela que o homem do campo do Pantanal reconhece hoje o grande valor do cavalo pantaneiro na lida do gado. "Ele faz questão que a raça seja preservada com suas características rústicas de força e agilidade para o trabalho de campo. A beleza para exposições não é a qualidade mais valorizada por eles", explica. 

Outra qualidade da raça que tem sido muito valorizada pelos criadores é a agilidade para provas equestres, como enduro e rédeas, com exemplares pantaneiros bem colocados em competições nacionais. "Se com um número ainda pequeno de animais já conseguimos essa qualidade, num futuro próximo, com mais criadores e animais, isso será ainda melhor". 

Nos quatro leilões anuais especializados da raça - Campo Grande e Corumbá, em Mato Grosso do Sul, e Poconé e Cuiabá, no Mato Grosso, os preços alcançados por alguns exemplares têm batido recordes históricos. No leilão deste ano em Cuiabá, em julho, a égua Herança e o cavalo Debochado, astros da abertura da novela `Paraíso` da Rede Globo, foram arrematados por R$ 148 mil e R$ 64 mil, respectivamente. Os preços crescentes mostram um mercado promissor e grandes chances de conservação para a raça.

Crescimento

Existem atualmente cerca de 5 mil cavalos pantaneiros puros registrados na ABCCP, com mais de 130 criadores localizados em 21 subregiões. O número total estimado de equinos no Pantanal é 100 mil, o que revela uma grande quantidade de animais mestiços, segundo Sandra Santos. 

Na fazenda Nhumirim, campo experimental da Embrapa Pantanal na região pantaneira da Nhecolândia, a 160 quilômetros de Corumbá, existem atualmente 73 exemplares da raça registrados. Lá são feitas pesquisas em manejo, melhoramento genético e sanidade, com tecnologias transferidas aos produtores para conservação e aumento da qualidade da raça. 

Em leilão realizado em 2008, a Embrapa Pantanal conseguiu R$ 24 mil por uma fêmea de nove meses de idade. Para a pesquisadora, o plantel da fazenda Nhumirim é valorizado pelos criadores por conta do trabalho de seleção voltado para a adaptação às condições do Pantanal e para a funcionalidade. "São 20 anos de pesquisa voltada para a seleção. Isso mostra que os produtores e fazendeiros do Pantanal estão valorizando cada vez mais animais com qualidade e procedência", disse Sandra. 

A principal ameaça ao cavalo pantaneiro hoje ainda é a anemia, que impede o registro de exemplares infectados na associação. "É importante prevenir e controlar a doença com boas práticas de manejo e pesquisas em sanidade", diz a pesquisadora. Ela explica que o manejo adequado e a realização de exames encarecem a produção. "Mas eu creio que esse reconhecimento e valorização da raça em termos econômicos, históricos e culturais vão gerar um maior interesse de mercado e alavancar o cavalo pantaneiro". 

Adestramento

Aprender a domar e adestrar o cavalo pantaneiro para o trabalho no campo e apresentação dos exemplares nos leilões da raça, cada vez mais competitivos. Este foi o objetivo do curso de doma ministrado pelo peão autônomo Otair Leonel da Costa, na fazenda Nhumirim, de 28 de julho a 2 de agosto.

Participaram das aulas 15 peões, entre assistentes de campo da fazenda Nhumirim e peões convidados de outras propriedades vizinhas, na região da Nhecolândia. Foram seis dias de aprendizado com instruções teóricas e muita prática com os animais.

Os peões tiveram a oportunidade de observar e treinar diversas técnicas de lida com os cavalos, como casqueamento, aproximação, montaria, embocadura, selagem e gerenciamento de rédeas. Nos últimos dias de curso foram feitas simulações de apresentação em eventos de beleza e funcionalidade.

Para o coordenador dos trabalhos de campo na fazenda, Hidelberto Petzold, o curso teve um grande aproveitamento, tanto para os trabalhos com o gado quanto para apresentação em eventos.  "Os eventos da raça estão cada vez mais competitivos. Com o curso, seremos capazes de apresentar nossos exemplares com maior qualidade diante da concorrência. Além disso, a performance nos trabalhos de campo vai melhorar muito", disse. 

A Embrapa Pantanal já está em processo de seleção de seus exemplares para o último leilão de elite da raça em 2009, que acontece em setembro em Corumbá.

O curso foi coordenado pela pesquisadora Sandra Santos e teve apoio do chefe geral da Unidade, Comastri Filho, e do supervisor de Campos Experimentais, Marcos Tadeu Araújo.

Fonte: Embrapa Pantanal

A reprodução integral ou parcial de textos e fotos deste portal somente é permitida com créditos para o autor e link para a página de onde foi transcrito. É expressamente proibida a reprodução total ou parcial das fotos das galerias sem a autorização prévia dos fotógrafos, os quais estão devidamente creditados nos nomes das galeriasCaso você seja autor de alguma imagem ou texto publicados neste site e deseja remoção ou correção, clique aqui para preencher o formulário de solicitação.


Receba nossa NewsLetter
Name:
E-mail:
Código de segurança:
->