Mudar linguagem para Inglês
Mudar linguagem para Espanhol
Mudar linguagem para Português
Busca

Onça pintada - Pantanal - Daniel de Granville
 Lobinho (Cerdocyon thous) - Christian Dalgas Frisch
Capivara na Fazenda San Francisco - Roberta Coelho
 Passeio no Pantanal - André Seale
Jaguatirica - André Seale
Passeio no Pantanal - Roberta Coelho


Ecologia

20/07/2011 - 13h03

Urubu: o comensal do homem

 
 

A+

A-

Altera o tamanho da letra

 

O homem é o animal que mais desperdiça alimento. Geralmente come em grande quantidade, e por diversas vezes ao dia. Seus olhos instigam-o a comprar mais do que consegue consumir. Assim sendo, muita comida é desperdiçada.

 

O urubu-de-cabeça-preta (Coragyps atratus, família Cathartidae), popularmente conhecido como urubu-comum, corvo, urubu-preto e apitã, é uma ave que se aproveita dessa insensatez humana para ajudar a limpar o meio em que vive.  Em áreas usadas para pastagens de animais, cerrados, campos abertos, ele sobrevoa em círculos a procura de carne putrefada, carcaças, restos de animais mortos ou agonizantes, filhotes de tartarugas e outros animaizinhos indefesos.

 

Com a expansão das áreas urbanas (por conta do incessante crescimento populacional), mal planejamento urbano (derrubando árvores desnecessariamente, e quase zerando os sub-bosques), construções civis, esgotos a céu aberto, rios poluídos por dejetos e tantos outros materiais poluentes, o urubu, que já rondava as cidades à caça dos alimentos desperdiçados pelo homem, se inseriu em definitivo nelas.

 

É extremamente comum vermos o bater pesado das asas do comensal do homem, em terrenos fartos em sobras de comida. Ratos, cobras e lagartos são mais espertos, pois reconhecem o faxineiro e logo se escondem (apenas os agonizantes não têm como escapar).  

 

O homem desperdiçador ainda se dá ao luxo de ser ignorante, alcunhando essa ave que o ajuda em sua insensatez alimentar, de agoureira, pois na residência ou quintal em que ela pousa, a desgraça e a morte acometem os que ali habitam. A natureza humana dribla-se para safar-se das insanidades praticadas e/ou aceitas, e assim, sempre tenta achar um culpado para as suas mazelas, e, nesse caso, o pobre urubu carrega consigo a fama que deveria pertencer ao homem.

 

O homem sim é agourento! Invejoso, deseja e pratica o mal contra sua própria espécie. Até aí tudo bem, já que pensa ser o melhor e o insubstituível na terra. Que os homens se digladiem, e que vençam os melhores ou mais sacanas, também está tudo certo, mas, se (re)voltarem contra todos os outros elementos que co-habitam este planeta, é no mínimo loucura. Desconhecer e agir de maneira que afete o TODO, desequilibrando-o, é bastante perigoso, pois afeta o homem diretamente.

 

Com exceção da grande maioria dos homens, a natureza é sábia. Ela vai se acomodando em conformidade com aquilo que a espera ou legaram. Então, seu sofrimento é amenizado, ou quase nulo, dependendo de qual reino pertence. Seria muito bom mesmo se fosse verdade que o urubu é ave agourenta, pois, com a presença cada vez maior dessas aves em áreas urbanas, muitos desmiolados desapareceriam da face da terra, deixando espaços preciosos para espécies que sabem respeitar a lei natural da sobrevivência.

 


Nicete Campos é jornalista, membro do Grupo REBECA (Rede Brasileira de Educomunicação Ambiental) e colunista do Portal Mais Interior.
e-mail: nicetecampos@yahoo.com.br

A reprodução integral ou parcial de textos e fotos deste portal somente é permitida com créditos para o autor e link para a página de onde foi transcrito. É expressamente proibida a reprodução total ou parcial das fotos das galerias sem a autorização prévia dos fotógrafos, os quais estão devidamente creditados nos nomes das galeriasCaso você seja autor de alguma imagem ou texto publicados neste site e deseja remoção ou correção, clique aqui para preencher o formulário de solicitação.


Receba nossa NewsLetter
Name:
E-mail:
Código de segurança:
->